Pesquisar este blog

Bomba atômica: como fazer


Talvez numa bela tarde de quinta-feira, você esteja com a barriga pra cima no sofá da sala zapeando os canais de TV, ora assistindo desenhos animados de 60 anos atrás, ora assistindo programas apresentados por senhoras que assistiram esses desenhos 60 anos atrás, e assim sua vida vai passando sem muito glamour, arrastando suas pantufas pra lá e pra cá, twitando suas grandes façanhas que são acordar, escovar os dentes, tomar café, ver TV, tomar café, almoçar, tomar café, navegar na internet, tomar café, e por aí vai...

Que tal um pouco de dinheiro, fama, poder, mulheres e o primeiro sorriso de aprovação de sua mãe? Para isso, você não precisa ganhar na loteria, não precisa participar de reality show, nem aprender a jogar futebol e muito menos criar uma nova rede de relacionamentos na internet. A única coisa que você precisa pra obter tudo isso é construir sua própria bomba atômica! É isso mesmo, meu caro! Vamos conversar um pouco sobre como a posse de uma bomba atômica pode te transformar numa pessoa muito importante e depois vamos ver como é construído um brinquedo desses.

Você já deve ter ouvido falar que no mundo existe um pequeno grupo de países que são chamados de “potências” e outro, menor ainda, chamado de “superpotências”. Potências são países poderosos politicamente, economicamente, militarmente e que com sua força conseguem influenciar outras regiões além de seu território. E o que é uma superpotência? A superpotência nada mais é do que a potência que tem o poder de destruir todas as outras potências! E como ter esse poder? A palavra mágica é essa mesma: bomba atômica.


Durante a Segunda Guerra Mundial, os EUA promoveram uma empreitada para a produção da primeira bomba atômica. Era o chamado projeto Manhattan que resultou na criação das três primeiras bombas nucleares, duas delas lançadas sobre o Japão. Após a Segunda Guerra, seguiu-se a corrida armamentista entre EUA e URSS, e o número de bombas construídas por esses países aumentou de forma a atingir a casa dos milhares de bomba desse tipo. 

Hoje, sabe-se que pelo menos oito países desenvolveram a bomba atômica: EUA, Rússia, China, França, Reino Unido, Índia, Paquistão e Coréia do Norte. Corre na boca pequena que Israel também pode ter desenvolvido a bomba, coisa que nunca foi admitida nem negada pelos israelenses. Além desses países, Alemanha, Brasil, Canadá, Itália e Japão possuem a tecnologia para desenvolver armas nucleares, mas já disseram que não estão a fim de brincar de Armageddon por enquanto.

Vamos entender o funcionamento da bomba atômica e verificar porque ela tão importante quando o assunto é arrebentar com tudo que está a nossa volta. O curioso é que para falar de uma explosão tão grande, temos que começar falando de uma das menores coisas do universo: o átomo. 

Sabemos que o átomo é como um minúsculo sistema solar com um núcleo, que seria o Sol, rodeado por partículas com carga negativa chamadas elétrons, que seriam o planetas. Esqueçamos os elétrons e vamos colocar os holofotes no núcleo, pois é daí que vem a energia nuclear. O núcleo é formado por prótons (partículas com carga positiva) e nêutrons (partículas sem carga). Esses dois tipos de partículas estão fortemente ligadas no núcleo por forças que ainda não foram completamente determinadas e é a energia que liga prótons e nêutrons aquela que se busca liberar numa explosão atômica.

Bombardeando com nêutrons o núcleo de um átomo pesado (átomo pesado é aquele que possui grande quantidade de prótons e nêutrons em seu núcleo), ele se divide em núcleos menores e parte da energia que mantinha ligados os prótons e nêutrons do núcleo original é liberada em grande parte na forma de calor. Não queira estar perto quando algum sem -noção faz essa mágica de quebrar o núcleo de um átomo! 

O principal método para se fazer isso é a fissão nuclear

Imagine o início de uma partida de sinuca: quando a bola branca é lançada na direção das outras bolas que estão agrupadas em forma triangular. É mais ou menos isso que acontece quando o nêutron atinge o núcleo do átomo e inicia uma reação de fissão nuclear em cadeia, fazendo com que os nêutrons que sobram do núcleo atingido acabem atingindo outros núcleos, liberando cada vez mais calor.

O tipo de átomo utilizado para fazer essa brincadeira sem graça é o urânio-235. O “235” é a massa desse elemento químico que possui 92 prótons e 143 nêutrons em seu núcleo. Existe um isótopo (átomo do mesmo elemento químico, mas com massa diferente) do urânio chamado urânio-238 que possui 92 prótons e 146 nêutrons. Enquanto o urânio-238 só pode sofrer fissão nuclear por meio de nêutrons com elevada energia cinética (chamados nêutrons “rápidos”), o urânio-235 pode sofrer fissão por meio de qualquer tipo de nêutrons, independentemente de sua energia cinética, sendo preferível os de baixa energia (chamados neutros “térmicos” ou “lentos”).

Na natureza, o urânio-235 é muito raro. Para cada 1000 átomos de urânio, 993 são do tipo urânio-238 e apenas 7 são do tipo urânio-235, isto é, apenas 0,7%. Agora, veja que interessante: para trabalhar com o energia nuclear, seja para fins industriais ou para se fazer uma bomba, você precisa aumentar essa proporção de urânio-235, isto é, precisa aumentar sua concentração. No caso de alguns reatores nucleares, faz-se necessário ter a proporção de 32 átomos de urânio-235 para 968 átomos de urânio 238, em outras palavras, a concentração de urânio-235 precisa mudar de 0,7% para 3,2%. Já para a construção de uma bomba atômica você precisa de uma concentração de urânio-235 casa dos 90%! Você precisa de no mínimo 900 átomos de urânio-235 para cada 100 átomos de urânio-238!

Mas como resolver isso se na natureza, a proporção de urânio-235 é apenas de 0,7% em relação ao urânio-238? 

É aí que entra uma palavrinha mágica que causa dor de cabeça em muita gente: enriquecimento de urânio. Esse é o processo por meio do qual se retira urânio-238 da concentração total, elevando, assim, a proporção de urânio-235. Para entender melhor, imagine que uma concentração de urânio seja uma cesta de fruta. Na cesta, há 100 frutas, 90 maçãs e 10 laranjas. Então 90% da cesta é constituída por maçãs e 10% é constituída por laranjas. Se você começar a retirar as maçãs até sobrarem apenas 10 e manter todas as laranjas, a cesta ficará com apenas 20 frutas, sendo agora 50% maçãs e 50% laranjas. É isso que se faz numa “cesta” de urânio durante o processo de enriquecimento: vai se retirando urânio-238 de modo que a proporção de urânio-235 vai aumentando em relação ao todo.

É claro que não dá para fazer isso em casa, mesmo porque se tudo isso fosse simples assim todo ser humano só teria a oportunidade de ver uma só festa de São João na vida, ou uma só queima de fogos no ano-novo... 

Em primeiro lugar, o urânio é um minério que só pode ser encontrado no interior da Terra. O urânio, após ser processado, é transformado em pó e depois convertido em gás, sendo este gás acelerado a alta velocidade dentro de uma centrífuga para que haja a separação entre urânio-235 e urânio-238 (o famigerado enriquecimento). Quando se atinge o enriquecimento a 90%, temos então o combustível para uma bomba atômica:  a pouca estabilidade do urânio-235 facilita a fissura, seguida da explosiva reação em cadeia. Para o funcionamento da bomba atômica, dentro da ogiva há uma carga explosiva convencional que dispara um projétil de urânio-235 que passa por um tubo até atingir uma esfera de urânio-235. E aí meu velho, a matéria se converte em energia no melhor estilo E = mc2! E é bom você estar bem longe disso tudo se não quiser que o Einstein te ensine pessoalmente o funcionamento dessa máquina infernal.

Poucos países possuem o conhecimento tecnológico e a capacidade logística suficiente para realizar o processo completo do ciclo industrial do urânio. O Brasil é um deles e estamos falando de um grupo de no máximo oito países. Além disso, o Brasil tem a sexta maior reserva de urânio do mundo, tendo prospectado apenas 20% de seu território. Na verdade, estima-se que o Brasil possua a terceira maior reserva dessa substância! Contudo, embora o Brasil tenha a faca e o queijo nas mãos, o país é signatário de um tratado de não-proliferação de armas nucleares, e utiliza energia atômica apenas para fins pacíficos. Apesar disso, especula-se que o Brasil teria feito preparos para testes nucleares décadas atrás, num buraco de 320 metros de profundidade na Serra do Cachimbo. Ninguém pode afirmar até hoje se isso é verdade ou não.

Como vimos, a parafernália para se construir uma bomba atômica está muito além das possibilidades de um ser comum, ávido por fama, poder, dinheiro, mulheres e outras coisas que vão além de nossa imaginação. Mas não se desanime! Essa história ainda não acabou. Temos uma carta na manga... 

No tempo da Guerra Fria, a KGB (a polícia secreta da ex-URSS, uma espécie de CIA dos russos) teria construído 132 maletas do tipo executivas, que nada mais eram do que mini-bombas atômicas. Para se ter uma idéia, uma bomba nuclear, como uma das que os EUA lançaram sobre o Japão em 1945, tinha uma potência de 15 quilotoneladas, ao passo que uma maleta dessas teria uma quilotonelada de potência, ou seja, o equivalente a mil toneladas de TNT. Certamente não daria para destruir uma cidade como São Paulo ou Nova York, mas seria o suficiente para arrasar um bairro inteiro. Oitenta e quatro dessas maletas estariam circulando no mercado negro, sabe-se lá em que lugar do mundo... 

Portanto, quando você estiver desgostoso com figuras como David Beckham, Justin Bieber (quem?), Britney Spears, Luciano Huck e outros, cujo sucesso é tão desproporcional em relação ao talento, não se esqueça: eles podem ter a posse de uma dessas maletas atômicas...

9 comentários:

karol disse...

eu posso faser uma mini bonba atomica em casa? se tem como pode dar uma explicaçao....
acho que gostaria de explodir algo ...e por uma boa causa minha sogra nao aguento mais puts

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk manu si tu acha uranio mi conta ta! nois fica ricooo kkkkkkkkkkkkkkkkkk ideia furada.

Anônimo disse...

Meu professor já havia me explicado,mas não eu não tinha entendido porra nenhuma. Depois do que eu li agora,ficou bem mais interessante um "brinquedinho" desses!!!

jairo disse...

Cara eh soh tu conseguir alguns containers de tnt da china ou da russia e explodir!
eh simples: consiga 10 containers lotados de explosivos dai depois eh soh conseguir mais 10 carretas para transportar a carga e estacionar os caminhões no centro da sua cidade e fazer uma detonação atraves de um computador, voce vai pra outro estado e lah vc detona! KABOOOOM

apskpakspakspaskpask

legal neh?:P

Anônimo disse...

experimentem fazer uma bomba de vacuo eh be, legal

Anônimo disse...

Eh facil conseguir uranio. Areia monazitica. O enriquecimento faz no micro ondas e depois numa centrifoga dessas q tmos em ksa. Poe a areia enrolada num papel aluminio. O resto meu amigo, esqça! (TNT):o

Anônimo disse...

Karol, sei fazer um brinqdinho bm potnt, mas. Axo mto perigoso usar açucar com acido sulfurico.

Anônimo disse...

Valeu por nao postarem meu email! Todos dao uma ideia e fazem gracinhas. Eu desconfiava q ste blog nao era tao serio. Agora tnho certza

Anônimo disse...

sou contra a violencia e nao concordo com essas pessoas que acham explodir algo ''legal''.

Postar um comentário