Pesquisar este blog

Carregando...

Colocação pronominal I





Quanto à posição dos pronomes em relação ao verbo, estes podem estar proclíticos (antes do verbo), enclíticos (depois do verbo) ou mesoclíticos (no meio do verbo), situação esta que só é possível com as formas do futuro do presente ou do futuro do pretérito.

REGRAS GERAIS:


PRÓCLISE

1. Verbos precedidos de palavras de sentido negativo, tais como, não, nunca, jamais, nada, nenhum, nem, ninguém. Exemplo: Nada me revolta./ Jamais lhe explicaram a razão./ Nunca vos procuraram?/ Ela não foi nem se deixou levar./ Ninguém nos perdoará a ausência./ Nenhum dos passageiros se feriu no acidente.

2. Verbos precedidos de advérbios, tais como, aqui, ali, cá, lá, muito, bem, mal, sempre, somente, depois, após, já, antes, agora, talvez, acaso, porventura. Exemplo: Aqui se faz, aqui se paga./ Já nos convidaram./ Muito lhe agradeço o favor./ Sempre lhe dizia que viesse./ Depois eu os procuro./ Ainda nos pedirá desculpas./ Talvez se interne amanhã para tratamento./ Agora vos digo: sois o mais gentil./ Acaso lhe interessa este livro?

3. Verbo precedido de “que”, em qualquer sentido, exceto quando substantivo. Exemplo: É o que lhe pedi./ Diga-lhe que se vá embora./ O livro que você nos emprestou é ótimo./ Desconheciam o assunto de que lhe haviam falado./ O quê da questão foi-lhe mostrado (neste caso, não ocorre próclise porque o “que” está substantivado).

4. Verbo precedido de conjunções subordinativas, tais como, porque, embora, conforme, se, como, quando, conquanto, caso, quanto, segundo, consoante, enquanto, quanto mais... mais. Exemplo: Não foi trabalhar porque se havia machucado./ Como nos prometeram, chegaram cedo./ Se os homens se compenetrarem.../ Embora lhe tenha avisado.../ Conforme o alertara.../ Quando o amigo se preparava para sair.../ Caso lhe interesse saber.../ Tanto se preocupava quanto se divertia./ Agiu segundo (conforme, consoante) o irmão lhe sugerira./ Quanto mais a polícia se omite, mais os assaltos se alastram.

5. Verbos precedidos de pronomes relativos, tais como, o qual, quem, cujo, onde. Exemplo: As mulheres às quais nos referimos./ É o homem a quem se atribuiu a missão./ Em São Paulo, onde se radicou.../ O pedido cujo atendimento se recomenda...

6. Verbos precedidos de pronomes indefinidos, tais como, algum, alguém, diversos, muito, pouco, vários, tudo, algo. Exemplo: Algum se salvará./ Alguém o traria de qualquer forma./ Muito se espera dele./ Nada se perde, tudo se transforma./ Algo me diz que ele virá.

7. Verbos precedidos de pronomes demonstrativos, tais como, isto, isso, aquilo. Exemplo: Isto me agrada./ Isso te satisfaz?/ Aquilo lhe diz respeito.

8. Em frases que exprimem desejo ou exclamação. Exemplo: Deus lhe pague!/ Bons ventos o levem./ Deus lhe proteja./ Raios o partam!

9. Verbos no gerúndio precedidos de preposição em ou de advérbio. Exemplo: Em se tratando de esportes, prefere futebol./ Não o fazendo, você se arrisca a perder o amigo./ Bem o dizendo, mal o negando.

10. Verbos precedidos das conjunções coordenativas não só... mas também, quer... quer, já... já, ou... ou, ora... ora. Exemplo: Não só me trouxe a encomenda, mas também me ofereceu um presente./ Quer se retire, quer se acomode.../ Ou se afasta ou se enquadra nas normas./ Ora se irrita, ora se mostra alegre.

OBS.: As conjunções coordenativas e, mas, porém, todavia, contudo e portanto não atraem o verbo.

11. Com as formas verbais proparoxítonas. Exemplo: Nós lhe perdoaríamos a desfeita./ Nós o teríamos feito./ Nós nos derramávamos em elogios.

12. Nas orações iniciadas por pronomes interrogativos. Exemplo: Quem te falou a respeito do caso?/ Como o puderam fazer?  



ÊNCLISE

1. O pronome vem depois do verbo quando não há nenhuma palavra que o atraia. Exemplo: Os carros chocaram-se de frente./ As crianças punham-se a chorar quando tinham fome.

2. Quando o verbo inicia a frase ou quando é precedido de pausa marcada por pontuação (em geral, vírgula). Exemplo: Deram-lhe o recado, afinal?/ Procura-se um bom emprego./ Antigamente, falava-se muito nesse assunto.

Atenção: Apesar de na linguagem coloquial utilizarmos o pronome oblíquo no início dos períodos (Me passe o sal), na variante escrita da língua este uso não é aceito (Passe-me o sal). Reparem no trocadilho que Oswald de Andrade faz com essa distinção de uso no poema “Pronominais”: “Dê-me um cigarro/ Diz a gramática/ Do professor e do aluno/ E do mulato sabido/ Mas o bom negro e o bom branco/ Da Nação Brasileira/ Dizem todos os dias/ Deixa disso camarada/ Me dá um cigarro”.

3. Com o gerúndio, desde que não esteja precedido de em ou advérbio. Exemplo: Não queira enganá-la fazendo-se de pobre./ Em se tratando de ensinar, ele é o melhor.

4. No imperativo afirmativo. Exemplo: Meu filho, prepara-te, apressa-te.


MESÓCLISE

1. Para iniciar frase. Exemplo: Poder-se-á fazer a festa amanhã./ Trá-lo-á a reboque.

2. Quando não existe nada que atraia o verbo no futuro do presente ou no futuro do pretérito. Exemplo: O troneio iniciar-se-á no domingo./ A vida devolvê-lo-á à realidade.

Atenção: Atualmente, o emprego da mesóclise está mais ligado à linguagem erudita, sendo, por isso, pouco utilizado, já que pode ser substituído por outras formas cultas. Exemplo: Vai trazê-lo a reboque./ A festa poderá ser feita amanhã./ O torneio vai se iniciar amanhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário