Pesquisar este blog

Carregando...

Arcadismo Brasileiro

Contexto brasileiro:

• Século XVIII no Brasil – Século do Ouro: intensa atividade de extração mineral na região de Minas Gerais. A prosperidade econômica estimulou a organização política, administrativa e dinamizou a vida cultural.

• Transferência do centro econômico da Colônia de Pernambuco/Bahia para Minas Gerais/Rio de Janeiro.

• Surgimento de uma sociedade urbana com maior flexibilidade social nas cidades mineradoras.

• Estabilização de uma sociedade culta, constituída de funcionários da Coroa, magistrados, mineradores e comerciantes, que estudaram na Europa e assimilaram os ideais iluministas.

• Aparecimento das agremiações literárias: Arcádias e Academias, que traziam para o Brasil os modismos artísticos e intelectuais da Europa. Esse agrupamento de artistas e intelectuais em associações ofereceu um contraponto com o período interior, já que neste os escritores permaneciam isolados e dispersos e suas obras quase não circulavam no interior do país, sendo mais destinadas aos leitores portugueses.

• Inconfidência Mineira: De um lado, o Iluminismo agitava a Europa, irradiando ideias libertárias, de outro, chegavam notícias da Revolução Francesa, Revoluçao Industrial e da independência das treze colônias inglesas. Em meio a essa movimentação geral, a insatisfação com relação à exploração mineral de Portugal, que só vazia aumentar abusivamente os impostos sobre a extração de minérios, crescia na Colônia. Todos esses fatos culminaram na Inconfidência Mineira, um movimento político organizado por letrados, muitos deles ex-estudantes da Universidade de Coimbra, que defendiam, entre outras coisas, a emancipação do Brasil em relação a Portugal. Alguns dos envolvidos neste movimento eram poetas do Arcadismo brasileiro, tais como Tomás Antônio Gonzaga, Alvarenga Peixoto e Cláudio Manuel da Costa.

• Imprensa: na transição do século XVIII para o XIX, começam a surgir no Rio de Janeiro diversos órgãos de imprensa, que foram peças-chave na dinamização da troca de informação, favorecendo a formação de uma consciência comum, de um sentimento nacional, o que possibilitou, entre outras coisas, o estabelecimento de uma relação (ainda que embrionária) entre escritor, obra e público, condição fundamental, segundo Antonio Cândido, para a formação de uma Literatura. Nesse momento tardio do Arcadismo, têm destaque as figuras dos jornalistas Hipólito da Costa, fundador do jornal Correio Braziliense, e Evaristo da Veiga, cronista político do Aurora Fluminense.

Contexto literário brasileiro:

• Início do Arcadismo no Brasil: 1768, com a publicação de Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa.

• Término: 1836, com a publicação de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães (obra que inaugura o Romantismo).

• Poesia lírica: poesia de estilo oscilante, apresentou em suas características tanto resíduos do Barroco como antecipações românticas. É representada pelos neoclássicos: Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Silva Alvarenga, Alvarenga Peixoto e Caldas Barbosa.

• Poesia épica: desenvolvida por Basílio da Gama, em seu Uruguai, e por Santa Rita Durão, em seu Caramuru, marca a introdução do indianismo como tema literário, no qual se toma o índio como personagem principal, representado na figura do herói guerreiro e do bom selvagem.

• Poesia satírica: este tipo de poesia está representado nas Cartas Chilenas, de Tomás Antônio Gonzaga, nas quais se encontra manifesto o inconformismo dos moradores da Colônia com relação à administração portuguesa.

Um comentário:

Anônimo disse...

Parabens!!!! Muito bem explicado, digno de merecimento !

Postar um comentário