Pesquisar este blog

Carregando...

Predicação verbal

Na predição verbal vamos estudar a maneira pela qual os verbos formam o predicado. Em outras palavras, vamos examinar se o verbo é capaz de trazer em si uma informação completa ou se ele precisa de algum complemento para que o sentido se construa interinamente. Uma vez detectado que o verbo precisa de complemento, passaremos a investigar que tipo de complemento será esse.
Sendo assim, de acordo com sua predicação, os verbos podem ser intransitivos, transitivos ou de ligação.

Verbo Intransitivo:

São assim chamados aqueles verbos que trazem em si a ideia completa da ação, sem precisar que outro termo preencha seu sentido. Daí dizermos que a ação não transita, pois ela está toda subtendida no verbo, por isso: verbo intransitivo!

Exemplos: O pai dela morreu./ A menina caiu./ Rubinho não venceu.

Os verbos morrer, cair, vencer, por exemplo, encerram, em si mesmo, um sentido. Dizer “a menina caiu” é suficiente para que a ação seja totalmente compreendida. É claro que podemos adicionar outras informações acessórias, tais como: “a menina caiu da bicicleta” ou “a menina caiu na Avenida 9 de Julho”; contudo, o sentido da ação não fica comprometido sem elas. Cuidado, não confunda essas informações acessórias com o complemento do verbo!!!

*Verbos que causam certa confusão são os verbos que indicam destino ou procedência, tais como: ir, vir, dirigir-se, chegar, voltar, comparecer, etc. Eles parecem exigir complemento, mas na verdade o que normalmente eles pedem é uma circunstância de lugar. Ex.: Paula vai à praia (“à praia” é uma circunstância de lugar e não um complemento, como parece). Estes verbos que indicam destino ou precedência são intransitivos, podendo admitir as preposições a, para e de.

Verbo Transitivo:

Esta é a designação dada aos verbos que necessitam de completos para que o seu sentido seja pleno. Por isso dizemos que a ação, o seu sentido, transita, portanto, verbo transitivo.

Exemplos: Eu sinto saudades./ João faz judô./ Isabela comprou um livro./ O delegado investigou o crime.

Reparem que os verbos dos exemplos acima, sozinhos, não têm sentido completo. Tente dizer as frases dos exemplos apenas até o verbo: Eu sinto...; João faz...; Isabela comprou...; O delegado investigou... Viu como a frase fica sem sentido? Quem sente, necessariamente sente alguma coisa, quem faz tem que fazer alguma coisa, igualmente quem compra, compra algo e quem investiga, investiga algo ou alguém. É por isso que tais verbos precisam de um complemento, sendo chamados de transitivos.

De acordo com as necessidades de complemento dos verbos damos nomes diferentes para ele. Como assim? Bom, o verbo transitivo será transitivo direto se “pedir” complemento direto, transitivo indireto se “exigir” complemento indireto e transitivo direto e indireto se necessitar dos complementos direto e indireto ao mesmo tempo. Calma, você já vai entender! Vejamos cada um separadamente.


  • Transitivo Direto:
Como o próprio nome sugere, trata-se do verbo cujo complemento vem ligado a ele diretamente, ou seja, sem preposição obrigatória. O completo deste verbo será chamado Objeto Direto.
Exemplo: Laura comprou uma boneca./ Você já recebeu a carta?/ A forte chuva causou danos à cidade.

*Objeto Direto Preposicionado: há situações em que o objeto direto estará acompanhado de uma preposição. Neste caso, você deve atentar para as características do verbo, ou seja, se ele pede objeto direto ou indireto. Ir pela ideia equivocada de que toda vez que houver preposição o objeto será indireto pode levá-lo ao erro.

Exemplos de objeto direto preposicionado: Eles amam a Deus./ Amar ao próximo./ Comer do pão./ Chamou a Paulo.

  • Transitivo Indireto:
É quando o complemento vem ligado ao verbo indiretamente, por meio de uma preposição obrigatória. O completo deste verbo será chamado Objeto Indireto.

Exemplos: Gosto de literatura./ Filhos não obedecem mais aos pais./ Eu ainda acredito em você.

  • Transitivo Direto e Indireto:
São aqueles que para terem seu sentido completo necessitam de dois complementos simultaneamente, o direto e o indireto.

Exemplos: A prefeitura ofereceu ajuda aos desabrigados./ Empresa doa arrecadação à associação de deficientes.

            Verbo de Ligação:

            É o verbo que expressa estado e que liga certas características (predicativos) ao sujeito. É, portanto, o responsável por estabelecer relações entre o sujeito e as características. Tais características podem ser uma qualidade, um estado ou um modo de ser. Elas são denominadas “Predicativo do Sujeito”.
            Os principais verbos de ligação são: ser, estar, permanecer, parecer, ficar, continuar.

Exemplos: Ângela não está bem./ Júlia ficou doente./ Maria parece melhor.
           
DICA! Se você atentar para o sentido dos verbos de ligação, não será necessário que memorize uma lista deles. Repare que com o verbo de ligação o sujeito não pratica nem participa ativamente de uma ação.

Um comentário:

Anônimo disse...

vlw me ajudou muito!!!
agora vou ver se consigo entender melhor
quando o professor explicar!

Postar um comentário