Pesquisar este blog

Ácidos

Provavelmente, o nome “ácido” deve soar aos seus ouvidos como algo muito natural, conhecido, pois se trata de um termo bastante usado. Você já deve ter ouvido falar que quando se está com afta, deve-se evitar frutas como abacaxi, limão, porque elas são ácidas. Você também já deve ter ouvido alguém comentar que está com acidez no estômago, ou seja, azia, queimação. Como você vê, os ácidos estão muito presentes no nosso dia-a-dia. Podemos encontrá-los nas frutas cítricas (contém acído cítrico), no vinagre (ácido acético), no suco gástrico do estômago (ácido clorídrico) e até na bateria do seu carro (contém ácido sulfúrico). 

Mas o que é um ácido? Quais as características que o particularizam? Há várias definições para ácido. A mais conhecida e utilizada é a definição do químico sueco Svant August Arrhenius, segundo a qual:

Ácido é toda substância molecular que, dissolvida em água, ioniza-se, fornecendo como cátions somente íons hidrogênio H+.

Complicado? Bom, eu explico. Fazendo textes com soluções aquosas, Arrhenius descobriu que algumas soluções, postas em água, eram capazes de transmitir corrente elétrica, enquanto que outras não. O cientista verificou, por exemplo, que ao misturar sal de cozinha com água a lâmpada de sua aparelhagem de textes acendia, mas ao misturar à água açúcar isso não ocorria.

Para explicar os fatos observados, Arrhenius formulou a Teoria da Dissociação Iônica. Para ele, a condutividade elétrica estava ligada à capacidade da água de dissociar moléculas gerando íons livres. Quanto maior a quantidade de íons livres em uma solução, maior a sua condutividade elétrica. 

O cloreto de sódio ou sal de cozinha (NaCl), por exemplo, é um composto iônico constituído pelos íons Na+ e Cl- organizados em um retículo cristalino. Quando este composto entra em contato com a água, a molécula é quebrada e os íons se separam. A este fenômeno, Arrhenius chamou dissociação iônica:


Já a sacarose ou açúcar (C12H22O11) é um composto de natureza molecular, ou seja, que não origina íons. Quando a sacarose é colocada em presença de água, ocorre apenas uma separação de moléculas, fenômeno chamado de dissociação molecular:


Mas não é todo composto molecular que em presenaça da água não produz corrente elétrica. Observe o caso do ácido clorídrico:

Sabemos que no ácido clorídrico 1 átomo de hidrogênio compartilha um elétron com 1 átomo de cloro por meio, claro, da ligação covalente. Quando este ácido é colocado em água, admite-se que ocorra uma quebra da ligação covalente e que o cloro, por ser muito mais eletronegativo, “puxa” para si o elétron que estava sendo compartilhado. Dessa forma, o cloro torna-se um íon livre, de carga negativa, e o hidrogênio transforma-se em um próton (pois perdeu seu único elétron). Repare que o cloro só consegue tirar o elétron do hidrogênio porque é muito mais forte (mais eletronegativo). É mais ou menos como disputar a brincadeira do cabo de aço com o Hércules ou com o Huck, você não vai conseguir ficar nem com o fiapo da corda!

Mas, disso tudo, o que você saber para compreender bem o tema do nosso tópico é que este fenômeno de produção de íons a partir de um composto molecular (sem íons) é chamado de ionização.

Agora que você já refrescou a memória, vamos voltar ao conceito de ácido de Arrhenius: segundo o cientista, um ácido é toda substância molecular que, em presença de água, sofre ionização, originando exclusivamente cátions H+. 

Na realidade, o cátion H+ liga-se à molécula de água formando o cátion H3O+, que é chamado hidrônio ou hidroxônio, mas, a fim de resumir o processo, utilizamos apenas o símbolo H+.

Porém, a definição de Arrhenius tem algumas limitações, tais como: só considera soluções aquosas, não podendo ser aplicada a outros solventes; o íon H+ não é encontrado dessa forma, mas sim como um hidrônio ou hidroxônio (H3O+). Além disso, sua definição de base (você verá o que são bases em tópico específico) também é muito restrita e não comporta todos os tipos de base.

Uma definição mais geral e também bastante utilizada é a de Bronsted, segundo a qual, ácido é toda substância que se comporta como um doador de prótons (ex: H+). Esta nova definição explica o caráter ácido do íon amônio (NH4+), por exemplo.

• Propriedades gerais dos ácidos:

Algumas das propriedades dos ácidos já fazem parte do conhecimento comum partilhado pela grande maioria das pessoas. Quase todo mundo sabe, por exemplo, que o limão é ácido e que, por isso, é azedo. Mas há outras propriedades que você também deve conhecer:

1. Têm um sabor azedo (ex.: o vinagre deve o seu sabor ao ácido acético, e o limão ao ácido cítrico);

2. Causam mudanças de cor nos corantes vegetais (por exemplo: alteram a cor da tintura azul de tornesol, de azul para vermelho). É por isso que utilizamos esses corantes vegetais para medir a acidez (o pH) de um líquido (veja mais sobre pH em tópico específico);

3. Reagem com certos metais (zinco, magnésio, ferro) produzindo hidrogênio gasoso;

4. Reagem com carbonatos e bicarbonatos para produzirem dióxido de carbono gasoso;

5. Em solução aquosa, conduzem eletricidade.

• SAIBA MAIS: O que é chuva ácida? O que pode causar?


3 comentários:

Anônimo disse...

porque os acidos inorganicos geram ions em agua, mesmo sendo composto moleculares.

Anônimo disse...

Porque Jaques Wagner quer! O PT quer!

Anônimo disse...

é... também quero saber a pergunta acima ai /\

Postar um comentário