Pesquisar este blog

Carregando...

Emprego do imperativo

Por ser um modo em que necessariamente um indivíduo dirige-se a um interlocutor, o imperativo não admite a primeira pessoa do singular.



Imperativo Afirmativo Ama tu / ame ele / amemos nós / amai vós / amem eles.

Imperativo Negativo não ames tu / não ame ele / não amemos nós / não ameis vós / não amem eles.

Imperativo afirmativo: Possui formas próprias somente para as segundas pessoas do singular (tu e vós). Todas as outras pessoas são expressas pelas formas do presente do subjuntivo.

Imperativo negativo: Não possui nenhuma forma própria. Todas as suas formas correspondem às formas do presente do subjuntivo.

*Para conseguirmos diferenciar o Subjuntivo do Imperativo, basta lembrarmos que o primeiro expressa um desejo, uma vontade, enquanto que o segundo exprime uma ordem ou uma exortação.

EMPREGO: ambos os imperativos, afirmativo e negativo, podem ser usados em orações absolutas, orações principais ou orações coordenadas, podendo exprimir:

1. Comando, ordem. Exemplo: Arrume seu quarto agora!

2. Exortação, conselho. Exemplo: Não se atrase, é seu primeiro dia de trabalho.

3. Convite, solicitação. Exemplo: Venham, venham todos!

4. Súplica. Exemplo: Não me deixe! Por favor, não me deixe só.

5. O imperativo também pode ser usado para sugerir uma hipótese, substituindo as asserções condicionais expressas por se + futuro do subjuntivo. Exemplo: Compre este produto e não se arrependerá [Se você comprar este produto, não se arrependerá].

NOTA: A intenção das frases imperativas está diretamente relacionada com o tom de voz empregado. De acordo com a entoação do enunciador, a noção de comando pode enfraquecer-se e chegar a um valor de súplica. É por isso que muitas vezes o estudo da morfologia e da sintaxe não é suficiente para uma análise precisa de um enunciado, sendo, portanto, necessário, o ponto de vista pragmático, ou seja, o da fala em uso, levando em conta os aspectos externos da frase, tais como, contexto e entoação.

Outras maneiras de expressarmos o Imperativo:

• Uma ordem pode ser dada por meio de frases nominais e até por simples interjeições. Exemplo: Fogo! / Mãos ao alto! / Silêncio!

• Alguns tempos do Indicativo ajudam-nos a dar uma ordem ou efetuar um pedido de maneira mais polida, para não parecermos muito agressivos ou grosseiros. Exemplo: O senhor me traz o dinheiro amanhã. [Traga-me o dinheiro amanhã].

• Também podemos construir um Imperativo Impessoal, com o intuito de generalizar a ordem. Ele é geralmente expresso em frases de comando ou de proibição. Exemplo: Não fumar! / Não sentar nos assentos reservados. / Sublinhar os verbos do texto.

2 comentários:

Anônimo disse...

camila isnt reading her book

Anônimo disse...

Nossa Parece ser certa ne vou leva ´pra professora para ver se ela aprova

Postar um comentário