Pesquisar este blog

Álcoois



Teremos um álcool quando um ou mais grupos hidroxila estiverem ligados diretamente a carbonos saturados, ou seja, que só fazem simples-ligação. O álcool mais simples estruturalmente é o metanol (H3COH), mas o mais importante economicamente é o etanol (álcool etílico).

Os álcoois podem ser classificados, de acordo com o átomo de carbono ao qual a hidroxila está ligada, em:

1. Álcoois primários: apresentam a hidroxila ligada a um carbono primário, ou seja, que se encontra ligado a apenas um outro átomo de carbono.

2. Álcoois secundários: apresentam a hidroxila ligada a um carbono secundário, ou seja, que se encontra ligado a outros dois átomos de carbono.

3. Álcoois terciários: apresentam a hidroxila ligada a um carbono terciário, ou seja, que se encontra ligado a outros três átomos de carbono.

*Não pode haver álcoois quaternários, justamente porque a hidroxila não pode estar ligada a um carbono quaternário, já que este, por definição, deve necessariamente estabelecer suas quatro possíveis ligações com outros quatro átomos de carbono.

• Nomenclatura geral dos álcoois:
Colocamos o prefixo indicador da quantidade de átomos de carbono (met, et, prop, etc), o infixo que indica o tipo de ligação (an, en, in) e o sufixo “ol”, indicador da função álcoois.

Usualmente, os álcoois também são nominados a partir do nome do radical ligado à hidroxila mais o sufixo “ico”. Exemplo:

Quando o álcool tiver três ou mais átomos de carbono, devemos indicar a posição do grupo OH na cadeia. A numeração da cadeia começa sempre da extrimidade mais próxima da hidroxila. Exemplo:

• Nomenclatura dos álcoois saturados com cadeia ramificada:
Caso o álcool tenha cadeia ramificada, teremos que indicar a posição e o nome da ramificação. Além disso, também devemos indicar a posição do grupo hidroxila. 
O primeiro passo é encontrar a cadeia pricipal. Ela será aquela que apresentar maior número de carbonos e, neste caso, que contiver o grupo OH.
Feito isso, devemos numerar os átomos de carbono da cadeia principal, partindo sempre da extremidade mais próxima do grupo OH.
Por fim, basta dar nome ao composto, seguindo a seguinte ordem: número do carbono ao qual está ligado o radical, nome do radical e nome da cadeia principal. Exemplo:

• Nomenclatura dos álcoois insaturados:
A dupla ligação é demonstrada pelo infixo “en”, o grupo OH pelo sufixo “ol” e a cadeia será numerada de forma que a hidroxila fique com o número mais baixo possível.
Neste caso, além de indicar a posição da hidroxila, também devemos indicar a posição da insaturação. O nome do composto será dado na seguinte ordem: posição da insaturação + hidrocarboneto correspondente + posição do OH + OL. Exemplo:

• Hidroxila ligada a carbono de dupla-ligação:
Neste caso, teremos outra função orgânica chamada “enol”. Os enóis são quimicamente instáveis, pois a insaturação entre dois átomos de carbono é facilmente rompida, enquanto que a dupla ligação entre carbono e oxigênio é mais resistente. Devido a essa instabilidade, a dupla-ligação entre os carbonos pode migrar para a ligação entre o carbono e o oxigênio, formando cetona ou aldeído. No exemplo abaixo temos o “etenol”, que, por sua instabilidade, coexiste em pequenas quantidades com o aldeído “etanal”, mantendo um equilíbrio que chamamos de “tautomerismo”:


Química nossa de cada dia...

Na animação abaixo, descubra, pela composição descrita nas embalagens, quais dos produtos possuem álcoois. Divirta-se!


Nenhum comentário:

Postar um comentário