Pesquisar este blog

Pteridófitas

As pteridófitas, tendo as samambaias como representantes mais conhecidos, são o primeiro grupo de plantas a possuir tecidos condutores.

O caule das pteridófitas normalmente é subterrâneo, e é chamado de rizoma. As folhas, normalmente muito longas, são dividas em folíolos. São nas folhas que aparecerem os soros, unidades de reprodução que formam vários pontinhos pretos nas folhas (dê uma espiada naquela samambaia da sua avó!).

 
O ciclo de vida das pteridófitas é haplodiplobionte, mas ao contrário das briófitas, a geração diplóide dessa planta é mais duradoura do que a haplóide. (dúvidas sobre ciclo de vida? acesse a aula de briófitas!).

O esporófito (2n) é o que produz os soros, que é o local onde são formados os esporos (n) por meiose. O esporo cresce formando o gametófito (n), também chamado de protalo, com aspecto de um coração. Aqui, mas uma novidade: o protalo produz por mitose tanto anterozóides (equivalente a espermatozóides) como oosferas (equivalente a óvulos) - Lembre-se que nas briófitas existiam gametófitos masculinos e femininos separadamente, aqui o gametófito é hermafrodita.

Os órgãos reprodutores, anterídios e arquegônios, ficam na face virada para o solo, e, na presença de água, liberam os gametas masculinos (anterozóides) que nadam até os femininos (oosferas), formando novamente o esporófito, que nada mais é do que a samambaia adulta.

Esporófito (2n) --> esporos (n) formados no soro --> Gametófito ou protalo (n) --> gametas (n) --> Esporófito (2n) ou samambaia adulta

  --> meiose --> mitose 


Para revisar, vamos pontuar algumas diferenças entre as briófitas e as pteridófitas: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário