Pesquisar este blog

Ciclo menstrual


Provavelmente todas as meninas que estão lendo este texto sabem do que estou falando, e os meninos já sofreram por causa do mau humor das meninas durante a tal da “TPM”. Hoje vamos entender como tudo ocorre dentro do sistema reprodutor feminino e como todo mês as meninas se preparam para ter um bebê e sofrem com toda a variação hormonal, apresentando sintomas diferentes entre si.





O ciclo menstrual feminino, em primeiro lugar, representa o ciclo ovulatório, desde a maturação de um óvulo até sua fecundação ou eliminação através da menstruação. Além disso, também demarca um período de mudanças no corpo feminino, desde alterações no útero e nas mamas e até mesmo a terrível TPM, ou tensão pré-menstrual, que ocorre pela variação de hormônios antes da menstruação.




Todo o ciclo menstrual é comandado por hormônios. A hipófise, que é uma glândula presente no cérebro, produz dois hormônios que atuam nesse ciclo, os chamados hormônios gonadotróficos. O FSH, ou hormônio folículo estimulante, desempenha justamente a função de estimulação e crescimento dos folículos no ovário, e o LH, ou hormônio luteinizante, estimula a ovulação e a transformação do folículo em corpo lúteo. Além desses dois hormônios, a hipófise também produz a prolactina, um hormônio que estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias após o parto.

Demarcamos o início de um ciclo ovulatório com o início da menstruação, e é nesse momento que a taxa de todos os hormônios está baixa. Com o começo do ciclo, ocorre um aumento progressivo de FSH, que estimula o desenvolvimento de folículos primários, os quais aumentam a secreção do hormônio estrógeno, ou estradiol.


O estrógeno, por sua vez, estimula a produção de LH, ao mesmo tempo em que inibe a produção de FSH. Então, quando chegamos ao 14º dia do ciclo, as taxas de LH e estrógeno estão altas enquanto de FSH está baixa. Nesse momento um folículo completamente amadurecido se rompe, liberando o óvulo. O resto do folículo se transforma em corpo lúteo e começa a produção de progesterona, que é um hormônio essencial para preparar o útero para a implantação do óvulo que for fecundado. A preparação do útero ocorre através do espessamento da camada mais superficial, o endométrio, com a formação de muitas glândulas e vasos, dando uma aparência mais “fofa”, ideal para o embrião se fixar. Note na foto abaixo, de microscopia de varredura, a aparência mais “fofa” do útero nesse período. 


Por volta do 21º dia, a taxa de progesterona está bem alta e, se não ocorreu a fecundação, o corpo lúteo começa a regredir e a produção de progesterona diminui. No 28º dia, a taxa de todos os hormônios é novamente baixa, e assim, o endométrio do ovário começa a se desmanchar e ocorre uma nova menstruação e início de um novo ciclo.

Mas, se ocorrer a fecundação, o embrião se fixa no útero e a placenta começa a produzir a gonadotrofina coriônica, que estimula a continuidade do corpo lúteo, que mantém a produção de progesterona, impedindo a menstruação e dando continuidade ao desenvolvimento do embrião e gestação. Abaixo está uma imagem de um embrião, em laranja, de implantando no útero de sua mãe.


Nenhum comentário:

Postar um comentário